• Editora Literal

A hora e a vez do podcast


Fabiano Pereira


Não é mais segredo! O consumo de podcasts cresce e a plataforma já aparece como uma das principais formas pelas quais pessoas adquirem conhecimento

De olho nesse crescimento, a gigante do serviço de streaming Spotify entrou 2019 investindo em podcasts. Ela não só ajustou sua plataforma para acolher a categoria, como também adquiriu dois dos maiores nomes no universo de podcasts (Gimlet Media e Anchor) e começou a promover encontros de capacitação e networking entre produtores de conteúdo da área. Um investimento que superou 500 milhões de dólares apenas em 2019. Isso fez com que o Spotify se tornasse, em janeiro de 2020, a maior plataforma de podcast do mundo, tirando o posto de primeiro lugar da Apple.

No Brasil, o consumo de podcasts cresceu 67% no ano passado e não dá sinais de desaceleração, já que cada vez mais empresas estão investindo em seus próprios canais. Mas, e você? Tem o costume de ouvir podcasts? Ou pelo menos já ouviu falar no termo?

O podcast não é algo assim tão “novo”: o termo foi criado pelo ex-VJ da MTV, Adam Curry, há quase 20 anos. Nasceu da junção das palavras iPOD (aquele player de áudio digital da Apple, lembra dele? Vendia MUITO na época) e o termo em inglês broadcasting (transmissão, sistema de disseminação de informação em larga escala).

Contudo, foi só nos últimos dois anos que essa ferramenta começou a ganhar escala de popularidade no Brasil com o surgimento de diversas novas iniciativas para os mais variados públicos e formatos: narrações de histórias, debates em torno de temas específicos, entrevistas, resenhas de livros, devocionais ou simplesmente o registro de conversas sobre diferentes assuntos. E diversas igrejas e ministérios têm usado a mesma como canal de comunicação.

Apesar de lembrar um programa de rádio, o podcast se diferencia por sua praticidade: arquivos de áudio leves e disponíveis para download, sem hora marcada para ouvir nem duração exata. Você acha de graça na internet, pode assinar o serviço para ser lembrado sempre que surgem novos episódios e pode ouvir no carro, na academia, lavando louça, no transporte público ou na sala de espera de um consultório, ou seja, onde quiser e puder.

Outro motivo que tem feito dessa ferramenta um sucesso é o fato de que é algo muito fácil (e barato!) de produzir e disponibilizar. Com estas dicas que vou partilhar com você ficará ainda mais fácil. Anota aí:

1. Defina o equipamento:

a) uma interface de gravação – pode ser um gravador digital (como, por exemplo, o da figura 1), um smartphone com um bom app de gravação (existem MUITOS BOM APPS), ou ainda um computador com um programa de gravação e edição instalado (o Audacity é uma opção gratuita e muito boa!).












Figura 1


b) Microfones – existem hoje microfones criados especialmente para esse fim (figura 2), que podem ser conectados diretamente em seu smartphone, tablet ou na USB de seu computador. Mas você também pode usar microfones comuns e uma pequena mesa de som (figura 3) ligada ao seu computador, sem problemas.







Figura 2







Figura 3






2. Encontre um local tranquilo, livre de muitos ruídos, e que não tenha índices de rever (eco) muito altos. Uma sala com sofá, tapete e móveis de madeira já ajuda a cortar bastante o rever causado por paredes, piso e teto paralelos de concreto.

3. Escolha o tema com cuidado: temas com mais chance de rápida aceitação são aqueles que estão mais presentes na mídia no momento. Você pode debater com seus convidados a partir de uma visão cosmovisão cristã os mais diversos temas.

4. Escolha muito bem seus convidados: além de desenvoltura e facilidade para falar, a galera precisa entender do tema proposto para o episódio, senão você ameaça a credibilidade de seu podcast. Lembre-se que “ninguém dá o que não tem”, então seja cuidadoso ao escolher seus convidados de acordo com o tema proposto para cada episódio.

5. Equipamento em mãos, sala preparada e convidados a postos? Está QUASE tudo ok, mas ainda não aperte o REC! Tenha em mãos uma estrutura do episódio – um pré-roteiro com informações úteis sobre o tema e algumas perguntas e partilhe isso com seus convidados. Mesmo sendo algo informal e descontraído, é preciso ser organizado para evitar aqueles “vazios” indesejados durante a gravação.

6. Gravou? Edite usando uma vinheta legal com trilhas sonoras gratuitas (tem bancos do YouTube e Facebook à disposição).

7. Chegou a hora de publicar! Eu sugiro começar com o serviço do Anchor.fm que, além de gratuito, já distribui seu podcast para os principais agregadores e players de áudio, como o Google Podcasts, iTunes e, claro, o Spotify, dono da plataforma.

8. Pronto! Agora não se esqueça de divulgar em seus perfis nas redes sociais, site da igreja ou organização, boletim etc. A divulgação é a alma do negócio!


Quer curtir alguns podcasts cristãos legais? Confira essas sugestões no Spotify ou diretamente nos sites: QuintaCast, Irmaos.com, BTCast, entre outras boas opções.

E se quiser saber mais sobre a técnica por trás da produção, me escreva. Vou até aí e produzimos juntos para aprender! É sempre um prazer servir à Igreja de Cristo. ▣


Fabiano Pereira é comunicólogo atuando há mais de 30 anos em emissoras de rádio e TV. Durante os últimos 20 anos, atuou como professor universitário e coordenador de programas de graduação e pós-graduação nas áreas de comunicação e marketing digital. Atualmente é produtor da TV USP da Universidade de São Paulo e pastor de jovens e adolescentes na Igreja Metodista no Matão, em Piracicaba/SP


#Bíblia #Textossagrados #Religião #Justiça #Ideologiadegênero #Escrituras #Família #Ética #Coaching #Intercessão #IgrejanaEraDigital #Digital #Igreja #literatura

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Perdão