• Editora Literal

Doadores de sangue, doadores de órgãos e, agora, doadores de dados!


Lourenço Stelio Rega


De doadores de sangue, depois de órgãos, agora, somos doadores de dados. Será que estamos entendendo as implicações sobre isso? Hoje, o quanto estamos expostos e o quanto nossa história de vida já não é mais algo de nossa intimidade e propriedade?

Boa parte dos aplicativos que instalamos em nosso computador, tablet ou celular acaba exigindo que concordemos com os termos de uma política de privacidade, em geral escolhendo um botão virtual na tela de nosso equipamento com a palavra “aceito”. Mas, quantos de nós de fato lemos os termos (em geral um texto longo) desse tipo de política?

Quando você acessa um mecanismo de busca, seja o Google, o Bing ou outro qualquer, “logado” em seu perfil, estará fornecendo informações sobre seus interesses, hábitos, preferências. Só no Google são cerca de 40 mil pesquisas feitas por segundo e cerca de 2 trilhões por ano. Quando você posta fotos, informações pessoais, sua localização, etc. no Instagram, Facebook, Pinterest, por exemplo, também está fornecendo informações pessoais que são coletadas para desenhar seus interesses, quem você é, porque prefere um tipo de roupa, equipamento, etc.

Essas informações são direcionadas a uma grande base de dados indexada chamada de Big Data. O mesmo acontece quando você acessa sites de compras, do banco em que é cliente ou em outro tipo de site. Inclusive quando você recebe uma oferta para conseguir um ebook ou uma informação em geral deverá fornecer alguns dados pessoais como nome, e-mail, telefones, endereços, dados profissionais e/ou pessoais.

Assim, cada um de nós internautas passa a ser doador de dados. Esses dados indexados, isto é, conectados ao nosso perfil, são hoje patrimônio valioso para essas e outras empresas. A depender da política de privacidade que você disse concordar ao se associar, esses dados serão “mercadoria” de negociação e migrarão entre empresas, governos etc.

Você já notou que, ao consultar o preço de um certo produto num site e, em seguida, ao consultar, por exemplo, um site de notícias, logo vem no meio do texto um box com ofertas de alguns sites de vendas exatamente daquele produto ou similares? Por que ocorre isso? Como ficaram sabendo que consultei aquele determinado produto ou serviço? Do ponto de vista técnico, existe diversas maneiras de se fazer isso. Uma delas é que quando você consulta um produto é inserido em seu computador um pequeno arquivo que armazena o que você está fazendo na Internet chamado de cookie. Aquele site de notícias, então, ao abrir em seu equipamento lê os cookies e descobre o que você esteve pesquisando e aciona um conjunto de instruções, chamado de algoritmo, de uma loja associada àquele site, que vai buscar em sua base de dados produtos similares ao que você pesquisou e insere no interior do texto do que você está lendo. Eis aí outro exemplo de doação de dados que fazemos a todo tempo.

O desenvolvimento de algoritmos está cada dia mais crescente e sofisticado. De certa forma, um algoritmo tem a característica de ser preditivo. Por exemplo, para descobrir quais suas preferências e qual produto ou serviço poderão lher ser oferecidos convencendo-o de que de fato precisará daquilo ou se você é ou não uma ameaça, por exemplo, em barreiras de imigração em que você vai inserir seus dados, confirmar sua identidade pelas impressões digitais, escaneamento do passaporte. Se não for uma pessoa com registros impeditivos, até não precisará passar pelo guichê de entrevista e será direcionado para o portão de saída do aeroporto.

Assim, a partir dos interesses empresariais ou governamentais são criadas estas instruções (algoritmos) para acompanhar os hábitos de uma pessoa que poderá ser um consumidor em potencial e seu possível interesse em um tipo de produto ou serviço, direcionando comunicações pelas redes sociais e digitais especificamente para cada um de nós. Isso tem sido chamado de comunicação “sincrônica”. Aqui, poderíamos entrar no campo da Inteligência Artificial (AI), que tem sido construída a partir da Inteligência Natural (NI).

No campo da Tecnologia da Informação, já estudamos circunstâncias que apontam para a criação de um tipo de “algoritmo mestre”, isto é, que poderá não depender mais da ação humana, mas que construirá, por si mesmo, outros algoritmos. Recentemente, descobriu-se que os engenheiros do Facebook acabaram “desligando”, numa linguagem simples, algumas funções de Inteligência Artificial (chatbots) que começaram a criar sua própria linguagem de comunicação. Um dos engenheiros da empresa tentou desmentir isso, mas de fato não conseguiu, pelo menos para o público especializado.

Por outro lado, os algoritmos estão também ao nosso serviço, pois quando você efetua um pagamento com seu cartão de crédito, os dados são enviados à operadora do seu cartão, que passam por um conjunto de algoritmos que vão legitimar ou não aquele pagamento após veloz análise de seu perfil de utilização do cartão. Temos também o desenvolvimento da biomedicina, que se vale dos dados coletados de milhares de pessoas em conexão com as descobertas científicas para exercer caráter preditivo e preventivo de doenças que você possa ter no futuro.

Você já notou que, ao digitar uma palavra em um aplicativo no celular, o teclado tenta “adivinhar” essa palavra? Isso é feito por algoritmos que associam o início daquela palavra e o seu contexto ao seu histórico de digitação. Então, doar dados acaba sendo útil nestes casos.

Os algoritmos colocam em ordem o caos de tantos dados, mas poderão também nos controlar, impedindo até em obtermos algo. “Uma faca de dois gumes”! A depender do seu histórico, você poderá ter de pagar um seguro de vida mais caro ou mais barato,

por exemplo.

Na área do Direito existem diversas questões sobre o uso dos dados pessoais e mesmo sobre a herança “imaterial” dos dados para a família de alguém que tenha falecido.

E, então, hoje, já acompanhamos o andamento desses desenvolvimentos e já não é possível ter tanta segurança de que a Inteligência Artificial, portanto os robôs, será apenas produto humano ou se, de fato, acabará tendo sua independência, como temos em alguns filmes de ficção. Já se fala abertamente sobre a aprendizagem das máquinas. Sean Gourley, PhD em Física por Oxford, afirmou “se você não controlar os algoritmos, os algoritmos vão controlar você.”

Já existe discussão sobre a complexa área da Epistemologia (como se dá o conhecimento da realidade) em que se discute se a compreensão da realidade por avançado nível de Inteligência Artificial segue os mesmos protocolos da Inteligência Natural. Muitos robôs, na realidade, tentam imitar as características humanas, por isso podem ser chamados de “humanoides”. Algo para se estudar sobre essa possibilidade epistemológica entre a Inteligência Sintética e a humana.

Ainda existem algumas dificuldades que já estão sendo superadas, pois para que tudo funcione, é necessário que os algoritmos tenham condições de cruzar em tempo hábil informações, cada vez mais volumosas, que crescem a cada milésimo de segundos. Como cruzar um volume tão grande de informações em tempo hábil se ainda temos limitações na velocidade de acesso? Assim, com a disseminação de tecnologia cada vez mais veloz isso vai se tornando realidade.

Já se prevê maiores avanços com a implantação do 5G (e 6G já está sendo desenvolvida em laboratórios). Associado a isso, temos também o desenvolvimento da computação quântica com gigantesco poder e velocidade de processamento em relação à tradicional computação binária que é a base de nossos equipamentos.

Veja que temos diversas facetas desse novo papel que assumimos, voluntaria ou involuntariamente, de sermos doadores de dados. Além disso, os riscos com a nossa privacidade, com o controle de nossa história de vida ainda nos preocupam. Mesmo que as informações possam ser codificadas (encriptadas), como no WhatsApp, quem garante que não existam brechas (back doors) nos sistemas que disponibilizam nossos dados a quem tenha o controle do sistema? Quem tem a chave do poder, do comando, usará nossas informações dentro de elevados padrões éticos? Eu e você já não temos mais controle sobre nossa história, que poderá já ser mais conhecida por “proprietários” de nossos dados do que por nós mesmos.

É assustador, não é? ▣

#Bíblia #Textossagrados #Religião #Justiça #Ideologiadegênero #Escrituras #Família #Ética #Coaching #Intercessão #IgrejanaEraDigital #Digital #Igreja

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Perdão