• Editora Literal

Os desafios da obra missionária no Sertão Nordestino


Entrevista: Pastor Jonathan Ferreira dos Santos


O pastor Jonathan Ferreira dos Santos é fundador do Vale da Bênção, juntamente com o pastor Décio de Azevedo (in memoriam), instituição que promove inclusão social de crianças e adolescentes no interior de São Paulo. A comunidade Vale da Bênção também agrega outros projetos como: Seminário Teológico, área para eventos, pousada, centro de oração e escritórios da AEBVB e Missão Antioquia. É autor de diversos livros, entre eles, 12 passos para uma fé vitoriosa (2008) e O poder da fé (1994). É casado com a pastora Adelaide Cavalcante dos Santos e, juntos, criaram o Movimento Nacional de Evangelização no Sertão Nordestino.

O pastor Jonathan concedeu uma entrevista exclusiva à Revista Literal, falando um pouco sobre o trabalho desenvolvido no Sertão nordestino.

1. De acordo com o último censo do IBGE, que quantifica o número de evangélicos no Brasil, a menor taxa de evangélicos se encontra no Nordeste. Dos nove estados da região, oito estão entre os menos evangelizados do país. Por que isso ocorre, em sua opinião?

Para entender melhor o Nordeste, é preciso lembrar que essa região é dividida em duas partes bem distintas. Uma delas é a faixa litorânea, onde estão as capitais dos estados, com cerca de oito milhões de habitantes. É a parte bem desenvolvida em praticamente todos os aspectos e pode ser chamada de “o Nordeste rico”. A outra parte é formada pelos interiores dos nove estados que formam a região. É o Nordeste não desenvolvido, com muitas carências e poucas oportunidades. Essa parte tem em torno de 47 milhões de habitantes. É chamada de Sertão Nordestino.

Do ponto de vista da evangelização, o litoral apresenta um quadro bastante positivo. Grande número de igrejas evangélicas, com muitas igrejas grandes e muito atuantes. Nos interiores, o quadro muda completamente. Número baixíssimo de igrejas. E em sua grande maioria, igrejas pequenas e sem recursos para se expandirem. Na verdade, quando encontramos cidades com 5% de evangélicos nessa região, ficamos muito felizes. Muitos lugares com 3% ou 4% de evangélicos. E milhares de vilas e povoados sem nenhuma presença evangélica.

Por que isso tem ocorrido? Várias razões, sendo que a principal é a falta de visão missionária para alcançar as populações do Sertão. Na verdade, os evangélicos do Brasil têm sido muito mais desafiados para evangelizar países da América Latina, África e Ásia, do que para evangelizar as populações do Sertão Nordestino.


Eu me incluo nessa culpa. Durante décadas, só tive olhos para ver as necessidades de missões em outros países. Foi mesmo um milagre que, há onze anos, me ocorreu o pensamento de que eu precisaria olhar para o Sertão Nordestino. Comecei a viajar na região em 2009 e fiquei impressionado com a necessidade de promover em todo o Brasil um grande despertamento para missões nacionais com foco nos interiores dos nove estados nordestinos.

2. Como começou o trabalho de evangelização no Sertão Nordestino e o que o motivou?

Na verdade, nunca tive motivação para missões no Sertão Nordestino. Eu tinha conhecimento zero da situação da evangelização dessa região. Nunca tinha sido desafiado para isso. Descobri que esforços para mobilizar os evangélicos de outras regiões do Brasil, para olharem para o Sertão Nordestino, eram quase inexistentes. Havia sim um grande esforço de alguns líderes do Nordeste nesse sentido, mas eles eram poucos e com muito pouco recurso para promover um grande despertamento. Eu e mais quatro pastores de São Paulo fizemos uma viagem de dez dias pelo interior da Paraíba, Ceará e Pernambuco em 2009.

Ficamos profundamente impressionados com as necessidades materiais do povo da região e, muito mais, com as necessidades espirituais. Deus nos deu a possibilidade de organizar uma equipe de 28 obreiros, que levamos para Juazeiro do Norte em fevereiro de 2010. Era uma equipe do Ministério Vale da Bênção, São Paulo, que vinha realizando impactos de oração e evangelismo em cidades do interior do Estado de São Paulo e Paraná. Éramos três pastores nessa equipe.

Fomos para Juazeiro do Norte com o alvo de ficarmos um ano e meio na região. Aos poucos, fomos entendendo o que era Sertão Nordestino e fomos percebendo o grande desafio que era evangelizar toda esta região de 47 milhões de habitantes. O Senhor nos direcionou nas ações que deveríamos desenvolver. Pensávamos que iríamos fazer um trabalho por um período curto e voltar para São Paulo. Mas, agora, já estamos no décimo ano dessa aventura, que tem sido muito desafiante.

3. Como se encontra o trabalho hoje?

Depois de um semestre em Juazeiro do Norte e tendo feito várias viagens pelos nove estados, comecei a perceber que a tarefa demandaria muito mais gente chamada para missões nacionais. Realizamos o Primeiro Congresso Nacional de Evangelização do Sertão Nordestino, em 2012, em Juazeiro do Norte. Nesse congresso, lançamos um desafio para as igrejas de todo o Brasil. Iríamos trabalhar para mobilizar igrejas para que elas formassem dez mil novas congregações no Sertão em dez anos. E é nisso que concentramos a maior parte dos nossos esforços. Tem valido a pena. De 2013 a 2017, vimos grande despertamento de pastores e igrejas em muitas partes do Brasil, que têm enviado equipes para o Sertão Nordestino e que têm aberto um número expressivo de congregações. Mas o mais positivo é que, hoje, podemos dizer que existe de fato um grande interesse na evangelização do Sertão Nordestino. É um movimento que está crescendo rapidamente.

4. Uma das dificuldades da igreja evangélica é quanto à forte religiosidade, especialmente em regiões como Juazeiro do Norte, Canindé de São Francisco, Santa Cruz e outros lugares. Muita devoção a Padre Cícero, Frei Damião e outros santos. Como a igreja pode evangelizar essas regiões?

A religiosidade e a devoção já foram muito fortes. Nos últimos anos, vêm decrescendo rapidamente. De fato, o Sertão Nordestino foi uma região muito fechada para os evangélicos. Nos últimos anos, vem se abrindo cada vez mais. É impressionante o número de novas congregações que vêm sendo formadas, com crescente número de conversões. Temos visto sinais de avivamento em toda essa região. Sempre aconselho os obreiros a começarem com oração. Digo-lhes que não comecem alugando um salão e organizando o ambiente em forma de igreja.

Uma placa na fachada desse salão com o nome de uma igreja certamente, vai espantar as pessoas, especialmente em cidades e povoados menores. Eu lhes falo para gastar tempo de oração em particular. Que também tenham coragem para andar pelas ruas orando ao Senhor. E que gastem tempo orando pelos doentes e necessitados do lugar. Se o grupo conseguir começar uma creche, um programa de reforço escolar ou um trabalho social voltado para mulheres, será muito mais fácil iniciar uma congregação. Que o povo da cidade sinta que esse missionário se importa com as necessidades deles e que está disposto a ajudar.

5. Quais as carências que o senhor percebe no Sertão Nordestino?

Temos orado para que o novo governo invista pesadamente na região criando muitos empregos. Essa é uma das maiores necessidades. O Rio São Francisco precisa ser revitalizado, e isso importa o reflorestamento das margens dos afluentes desse rio. Se o governo investir nisso, criará milhares de empregos nas regiões banhadas por esse rio, que é o mais importante do Sertão Nordestino. Outros projetos podem ser desenvolvidos pelo governo.

O analfabetismo é um problema sério na região. Em 2012, fizemos pesquisa nas 30 cidades mais carentes de evangelização do Sertão Nordestino. O objetivo era fazer um jogo de cartões de oração com essas 30 cidades, desafiando crentes de todo o Brasil para orar cada dia do mês por uma dessas cidades. Ficamos abismados com o analfabetismo nessas 30 cidades. Trinta por cento de analfabetismo, quarenta, cinquenta por cento. Em uma das cidades do Piauí, encontramos sessenta e dois por cento de analfabetismo. As igrejas evangélicas poderão ajudar muito na solução desse problema.

Milhares de jovens inteligentes e, às vezes, muito inteligentes vivem em lugares onde simplesmente não têm oportunidade de estudar ou de aprender uma profissão. Que o novo governo invista nisso. E que os evangélicos ajudem muito nisso também. Será que vamos conseguir dizer para os brasileiros do Sul, do Sudeste, do Centro Oeste, do Norte, que o Sertão Nordestino é a região mais pobre do Brasil e que precisa com urgência de um grande esforço nacional para fazer com que essas populações saiam do estado de pobreza em que vivem?

6. Existe algum tipo de hostilidade à chegada da igreja evangélica na região?

Não tenho conhecimento de hostilidade com relação às igrejas evangélicas nestes anos em que trabalho na região. Havia sim bastante hostilidade no passado. Na verdade, a hostilidade, aliada ao clima desfavorável, a estiagem, pobreza e outros fatores negativos fez com que os evangélicos nunca conquistassem de fato a região com o Evangelho.

Isso explica a grande diferença existente entre a presença evangélica no Sertão, que é tão pequena, comparada com a presença evangélica tão expressiva nas demais regiões do Brasil. Contudo, missionários são enviados para regiões da terra até mais adversas do que o Sertão Nordestino. Por isso, em última análise, podemos afirmar que sempre faltou despertamento missionário sério em favor dessa região. Mas, graças a Deus, nestes últimos anos, a receptividade ao Evangelho vem aumentando cada vez mais em todo o Sertão Nordestino. E, cada vez mais, vem aumentando o interesse pela evangelização da região.

7. Quais conselhos o senhor daria para igrejas que desejam atuar na evangelização do Sertão Nordestino?

Algumas igrejas têm enviado equipes de férias para trabalhar com igrejas existentes no Sertão. Não necessariamente com igrejas de sua própria denominação ou grupo. Com isso, vários benefícios são alcançados. O primeiro, certamente, é a bênção que isso significa para as igrejas e as cidades que recebem essas equipes. Geralmente os resultados são muito bons.

Outro aspecto positivo é que os participantes dessas equipes voltam para suas igrejas convencidos de que precisam continuar ajudando na evangelização do Sertão Nordestino. E, também, aqueles irmãos vão conhecendo melhor a região e as suas necessidades. Quando decidem abrir uma congregação, já haverá várias pessoas na igreja interessadas em ajudar. Eles já terão conhecimento do que devem fazer para implantar o seu trabalho e do local mais adequado para fazê-lo. Temos escritórios em Juazeiro do Norte e estamos capacitados para dar informações aos pastores que desejarem se envolver com missões no Sertão Nordestino.

8. Como começar a atuar ali?

Os evangélicos têm quase nada de projetos sociais e educacionais na região. E essa é uma excelente porta de entrada. A região é carente em muitos aspectos. Sonhamos com o dia em que veremos muitas igrejas, de todo o Brasil, ajudando a população mais carente da região. Sonhamos com a possibilidade de empresas de famílias evangélicas abrirem filiais na região.

Sonhamos com a possibilidade de funcionários de bancos e de outras empresas pedirem transferência para cidades dessa região, com a finalidade de pregarem o evangelho e formarem novas igrejas ou ajudarem as igrejas existentes a se desenvolverem. Várias outras modalidades de prestação de serviço podem ser consideradas.

Sugiro a leitura do livro Avivamento chega no sertão nordestino, de autoria de Adelmo Romero, publicado pelo Movimento Nacional de Evangelização do Sertão Nordestino. Poderemos enviar pelo correio. Podemos também enviar pelo correio o “Jogo de cartões de oração” (números 1 e 2). Em cada jogo, as 30 cidades menos evangelizadas do Sertão Nordestino. Ao todo, 60 cidades pesquisadas. Peça pelo site movimentoevangelizasertao.org.br ou pelo telefone 88 99806.1674.

#Bíblia #Textossagrados #Religião #Justiça #Ideologiadegênero #Escrituras #Família #Ética #Coaching #Intercessão #IgrejanaEraDigital #Digital #Igreja

70 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Perdão